Descobrem um desenho de Leonardo Da Vinci com o “verdadeiro” rosto de Cristo

Um desenho de Leonardo Da Vinci descoberto recentemente em uma coleção particular na Itália seria o verdadeiro rosto de Cristo, portanto, a pintura do “Salvator Mundi”, leiloada em Nova York por US$ 450 milhões e atribuída ao gênio do Renascimento, seria uma farsa.

Chegou a essa conclusão a estudiosa Annalisa Di Maria, integrante do comitê de especialistas em Arte e Literatura do Centro da Unesco em Florença. Ela descobriu em uma coleção particular em Lecco, em Gênova, um desenho feito com a técnica dita “sanguínea”, utilizada muito por Da Vinci, e representando a face de Cristo. É, sem dúvida, do mestre italiano. ”Este é o verdadeiro ‘Salvator Mundi’. O rosto representado está dividido em três quadrantes, como a maioria dos temas pintados pelo mestre Da Vinci, ou seja, em movimento e com um dinamismo impressionante ”, explicou Di Maria à mídia italiana.

O desenho representa Cristo com a mão levantada, no mesmo gesto do quadro “Salvator Mundi”, vendido no leilão de Abu Dhabi. Com este estudo de cerca de 60 páginas, a especialista na obra de Leonardo Da Vinci conclui que o “Salvator Mundi” atribuído ao gênio toscano, e vendido em novembro de 2017 por um valor recorde de 450 milhões de dólares, não teria sido feito por ele. Da Vinci nunca teria pintado assim, diz ele.

Colecionadores particulares colocaram o trabalho à disposição para estudos de laboratório, análise da folha velha e exames fotográficos, e descobriu-se que “a folha usada para este sanguíneo pode ser datada do século XVI”, acrescentou. Em entrevista ao jornal “La Stampa”, a aluna explicou que ao ver o desenho ficou “sem fôlego”. “É um trabalho de um refinamento incrível e isso imediatamente me pareceu uma revelação. Fiquei muito emocionada porque imediatamente compreendi que era feito por um artista superior e continha a verdadeira expressão do puro dinamismo da mão do gênio toscano. Uma obra provavelmente perdida, como a maioria dos seus códigos espalhados, sabe-se lá onde ”.

Além disso, essa descoberta aumentou sua convicção de que o “Salvator Mundi” vendido ao Ministério da Cultura de Dubai, por US $ 450 milhões, era uma farsa. “Da obra, antes da restauração, fica evidente o grande afastamento da linha, os detalhes e a técnica empregada nesta pintura, que não se atribuem à mão de Leonardo Da Vinci, e observando a obra após a restauração notamos uma pegada muito diferente da original, um traço muito Leonardiano que antes não tinha ”, esclareceu. O estudo de pesquisa será apresentado em uma conferência em Florença em breve, assim que a emergência passar e for possível realizar novamente os eventos, como afirma o centro da UNESCO em Florença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *