16 de junho de 2021

Cinco coisas que Karl Marx fez e não damos crédito a ele

Muitas de suas teorias acabaram associadas ao totalitarismo, falta de liberdade e assassinato em massa, então não é surpreendente que Marx continue a ser uma figura divisora. Mas há um outro lado de Marx que é mais humano, e algumas de suas noções contribuíram para tornar o mundo um lugar melhor.

 

  1. Eu gostaria de mandar as crianças para a escola, não para trabalhar

 

Esta é uma proposição óbvia para muitos. Mas em 1848, quando Karl Marx estava escrevendo o “Manifesto Comunista” com Frederick Engels, o trabalho infantil era a norma.

Ainda hoje, uma em cada 10 crianças no mundo está sujeita ao trabalho infantil, de acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho do ano 2016.

O fato de tantos menores terem ido da fábrica para a sala de aula tem muito a ver com o trabalho de Marx.

 

  1. Eu queria que tivéssemos tempo livre e que cada pessoa decidisse como usá-lo

 

Você gosta de não ter que trabalhar 24 horas por dia, sete dias por semana?

E ter uma pausa para o almoço?

Você gostaria de poder se aposentar e receber uma pensão na sua velhice?

Se sua resposta a essas perguntas for sim, você pode agradecer a Marx.

Marx escreveu sobre como sobreviver em uma sociedade capitalista a maioria das pessoas é forçada a vender a única coisa que têm – seus empregos – por dinheiro.

Segundo ele, essa transação muitas vezes é desigual, o que pode levar à exploração e à alienação: o indivíduo pode acabar sentindo que perdeu sua humanidade.

 

III. Nem tudo gira em torno de dinheiro. Você também precisa estar satisfeito com seu trabalho.

 

O trabalho pode ser uma grande fonte de alegria se você puder se ver refletido nos objetos que criou. O emprego deve nos dar a oportunidade de ser criativos e mostrar tudo o que há de bom em nós mesmos: seja nossa humanidade, nossa inteligência ou nossas habilidades.

Mas se você tem um emprego miserável que não se encaixa em suas sensibilidades, você vai acabar se sentindo deprimido e isolado.

Em um de seus primeiros livros, Manuscritos de 1844 , Marx foi um dos primeiros pensadores a vincular a satisfação no trabalho ao bem-estar. Segundo ele, como passamos tanto tempo no trabalho, devemos ter um pouco de felicidade com o nosso trabalho.

 

  1. Não tolere o que você não gosta. Mude!

 

Se algo não está funcionando em sua sociedade, se você sente que há injustiça ou desigualdade, você pode fazer barulho, se organizar, protestar e lutar por mudanças.

A sociedade capitalista do Reino Unido no século 19 provavelmente parecia um monólito sólido e imóvel para o trabalhador impotente. Mas Karl Marx acreditava na transformação e encorajou outros a promovê-la. A ideia se tornou muito popular.

Se você é uma daquelas pessoas que hoje acredita na mudança social, provavelmente reconhece o poder do ativismo.

 

  1. Marx já disse: cuidado quando o Estado e as grandes empresas têm uma relação muito próxima… e veja o que a mídia faz.

 

Muitas pessoas estão preocupadas com essas confluências e querem examiná-las mais de perto. Mas adivinhe: Marx, junto com seu amigo e parceiro ideológico Engels, fez exatamente isso no século XIX.

Marx e Engels analisaram com muito cuidado as redes de cooperação que existiam naquela época entre governos, bancos, empresas e os principais agentes da colonização.

A conclusão dele?

Se uma prática, deplorável ou não, se revelasse boa para os negócios e para o Estado – como a escravidão como meio de promover o impulso colonial – então a legislação seria favorável a essa prática.